Páginas

11 de janeiro de 2010

Medo de transporte público

Um sábado de sol e um convite para ir à galeria do Rock. Coisa comum no nosso dia-a-dia desde os 15 anos (mais ou menos), depois de uma tarde muito gostosa chega a hora de ir embora. Eu pego um ônibus e ele outro até ai tinha tudo para ser um dia comum.

Estranhamente, por ser sábado, o ônibus estava mega lotado e tive que ficar de pé na porta dos fundos. Quando estou sozinha no ônibus e sem o meu MP3 não tenho uma cara muito agradável, amigos que encontro sempre dizem “nossa que cara de brava”.

Mas, no ponto seguinte (ainda na Av. São João) uma mulher que aparentava ter uns 40 anos, um corte de cabelo bem moderno e uma cara de cansada, entrou falando ao celular. Toda atrapalhada e ficou do meu lado. Sem mais nem menos, nem olhando para ela eu estava, a mulher me cutuca e começa a puxar assunto.

Detalhe que ela começou falando sozinha e em um trajeto que durou cerca de 30 minutos descobri que ela era solteira, morava no centro (perto da Folha), que o carro quebrou e que estava indo visitar a mãe que mora na ZN. Só que era a 1ª vez que ela fazia esse trajeto de ônibus.

Achei isso um pouco engraçado, mas falei com ela sobre o trajeto do ônibus e a acalmei. A mulher estava em pânico só por que estava andando de ônibus e também por causa do trânsito.

Então ela começou a falar sobre política e quando eu ia descer ela me agradeceu e me disse que não vai consertar o carro, que algumas pessoas não merecem, mas ela quer viver num lugar melhor e sem poluição. Desci e me esqueci de perguntar o nome dela.

Mas fiquei pensando.
Todo mundo adora falar de sustentabilidade, a todo o momento somos rodeados por campanhas de “troque seu carro por uma bicicleta” e há também o dia nacional sem carro. Mas e ai?

Só que isso não faz parte de algumas pessoas. Quando cheguei em casa me lembrei de uma ex-colega de trabalho, uma menina que só de olhar para ela você diz que é filhinha de papai.

Um dia no trabalho ela chegou me perguntando assustada “Como você consegue andar de metrô ?” Fiquei com medo de responder e na real nem sabia o que responder para ela. Mas perguntei o motivo da pergunta.

Ela nunca tinha andado de metrô na vida, mas como o carro estava no conserto, o pai disse que não podia leve-la e como ela queria muito ir não teve outro jeito. Ela andou sábado, as 16h da estação Tucuruvi até a estação Santana e achou horrível e super perigoso.

Pois é. Mostrei uma foto do metrô Sé, durante a semana em horário de pico e ela quase teve um treco. Mandou concertarem o carro o quanto antes por que se não ela não ia mais sair de casa.

É pessoas, mudar e ajudar o mundo é apenas uma questão de querer. Apenas isso.

Pena que algumas pessoas não se acostumam.

E que venha 2012

=**

5 comentários:

thiago meia disse...

enquanto isso, algumas pessoas imploram pela ampliação do metrô que , depois de 16 de tucanato e com algumas crateras surgindo por aí, finalmente parece que vai sair do papel!

essa sua amiga com pavor de metrô deveria morar em uma megalópole sem ele...

Legal o texto , thata, parabéns

Chico Junior disse...

De médico e louco todo mundo tem um pouco, não é? No entanto as pessoas se esquecem de que, ao evitar o transporte público, evitam o coletivo. É interessante estar com gente, aliás, gente é sempre um fenômeno interessante - é a nossa descoberta aqui, não é?

Bjs,

Fabis Matrone disse...

Tb tenho medo e como tenho!

Amor adorooooo seu blog, pode me passar o HTML dele, preciso dar um up nele!

Andréia Félix disse...

Olha, eu pego ônibus e metrô lotados todos os dias não é porque acho legal não, viu? haha Horário de pico, pessoas suadas, fedendo, grudando e expremidas em você não é nada legal. Há outras maneiras de conhecer alguém hehe


Bjão!

Élide Elen disse...

Também não gosto do transporte público, mas sou obrigada a utilizar para ir à faculdade.
Merecíamos muito mais.
Beijos!